1488 €

Luis de Matos - Thursday, June 07, 2012 - Comentários (0)

No contexto das simbologias urbanas contemporâneas, o número 1488 aparece habitulamente associado ao lema criado pelo nacionalista branco e criminoso, David Lane, no âmbito das ideologias Nazi que defendia. Os primeiros dois dígitos do número 1488 referem-se à sequência de 14 palavras que compõem o referido lema "Devemos assegurar a existência do nosso povo e um futuro para as crianças brancas", popularizado como slogan por nacionalistas brancos. Os últimos dois dígitos, 88, referem-se à oitava letra do alfabeto, o “H”. 88 traduz as duas letras “H” que evocam a expressão "Heil Hitler". Por muito hediondo que este significância possa soar, o facto de colocar o símbolo de € à frente do número não traduz uma menos vergonhosa e surpreendente realidade. 1488€ não se refere às ideias de um qualquer louco e uns quantos seguidores. 1488€ é tão somente o “preço de mercado” de uma pessoa quando transaccionada dentro da comunidade europeia.

O tráfico humano é um crime contra a humanidade. No entanto, na Europa, o seu crescimento é exponencial. As principais vítimas desse crime horrendo são meninas e jovens mulheres, escravizadas e exploradas pela indústria clandestina do sexo. 1488€ é o preço médio pago “por cabeça” dentro da Europa por criminosos sem escrúpulos. Seja para trabalhos forçados, sexo, ou simplesmente para desfazer em peças para venda de órgãos, o tráfico de pessoas cresce diariamente. Os criminosos, como micro-organismos que ganham resistência a um fármaco, alteram constantemente o seu modus operandi tornando cada vez mais difícil controlar um processo em constante ascensão e em permanente readaptação.

As histórias que se conhecem começam por vezes com um simples convite de um aparente amigo de longa data, acabando com a obrigação de gerar um mínimo de 1000 euros diários, sob ameaça de morte extensível a toda a família. Isto está a acontecer hoje na Europa. É absolutamente inaceitável, e apenas concebível pela força das provas que, em pleno século XXI, ainda seja necessário unir esforços e despertar consciências que permitam encetar uma luta contra a escravatura. Um mercado que, para além de mulheres e meninas, absorve igualmente homens e rapazes. Falamos de cidadãos europeus a serem vítimas no seu próprio continente. Cidadãos que são vendidos, nalguns casos, por amigos e familiares que incluem tios, irmãos e até pais.

Infelizmente, apenas um em cada oitocentos casos acaba em condenação para o criminoso. Em parte porque as vítimas que sobrevivem se recusam a testemunhar contra os seus agressores com medo de retaliação. Por outro lado, como podemos continuar a aceitar na Comunidade Europeia países que apresentam elevados níveis de um crime contra a humanidade como é o  tráfico humano?

Esta forma de escravatura moderna é mais um dos factores que ajudam a suportar os números que revelam haver hoje mais escravos no mundo do que em qualquer outro momento da história da humanidade. O seu número estima-se em 27.000.000 de pessoas. Seres humanos forçados a trabalhar, sem remuneração, sob a ameaça de violência e impossibilitados de procurar uma vida melhor. Podemos encontrá-los em bordéis clandestinos, fábricas, minas, campos agrícolas, restaurantes, construção civil e até em casas particulares. A escravatura é illegal nos quatro cantos do mundo, mas acontece hoje em todos os países. Acredita-se ser possível acabar com a escravatura nos próximos 25 anos, contudo, para isso é preciso que TODOS queiram. Governos, religiões, negócios, organizações, consumidores e, especialmente, cada um de nós.

“Seres humanos que se vendem para tudo, até para desfazer em peças…”

Comentários (0)
Post has no comments.
Deixe um comentário




Captcha Image