Austeridade

Luis de Matos - Thursday, February 09, 2012 - Comentários (3)

Em economia, austeriade significa rigor no controle de gastos. Uma política de austeridade é necessária quando a dívida é considerada insustentável e a solução evidente é gastarmos menos e produzirmos mais. Vejamos o nosso país como uma família que nunca se cansou de pedir dinheiro emprestado, comprar casas, carros e fazer férias a crédito, jantar fora e organizar festas e, ainda, a quem naturalmente foi faltando a disponibilidade real e mental para trabalhar no pouco tempo que sobrava das actividades lúdicas que preenchem a vida dos seus membros. Uma família a quem os vários cartões de crédito foram sempre o passaporte fácil para um conforto e luxo claramente acima daquilo que eram, através do trabalho, capazes de gerar em termos de riqueza. Portugal é, hoje, assim.

A situação em que estamos mergulhados é muito grave. É tão mais grave quanto mais tempo demorarmos em aceitá-la e decidirmos reagir em conformidade. Ninguém escolheria, por opção própria, dormir na rua, mas as vítimas de um tsunami dão-se por muito felizes se sobreviverem e se, ainda por cima, tiverem uma manta para se cobrirem. Todos gostam de um bom vinho com denominação de origem, mas a muitos milhões de seres humanos como nós bastaria terem acesso a água potável para poderem sobreviver. Todos apreciamos não trabalhar ao fim de semana, mas muitos pais dariam tudo por um emprego mais puxado que lhes permitisse continuar a dar de comer aos seus filhos. É tudo uma questão de perspectiva. Por princípio, nunca valorizamos o que temos, apenas nos ocupamos em lamentar a propósito do que gostaríamos de ter.

Imaginemo-nos, cada um por si, em alto mar, entre a costa Americana e a Europeia. Só há duas hipóteses: nadar ou morrer afogado. Para nadar, a única solução para continuarmos a ter a esperança de chegar a casa, temos que continuar a dar o máximo de nós ainda que exaustos. Se decidirmos afundar é mais fácil, basta baixar os braços e não lutar por nada nem mesmo por nós próprios. Sendo essa solução completamente contra natura, a escolha evidente de continuar a dar aos braços é aquela que não carece sequer de qualquer reflexão. Neste momente só nos resta continuar a trabalhar. E se a coisa não melhorar? Trabalharemos mais. E se, mesmo assim, não parecer estar a dar resultado? Trabalharemos mais ainda. Se quisermos manter o desejo e a esperança de chegar a terra firme, nadar é a única solução. Desistir não é opção.

A atitude autista dos sindicatos, com os seus discursos envenenados replectos de insconsciências e de propaganda barata, tem servido apenas para intoxicar o povo, levando-o a não olhar para o país com honestidade e espírito de missão, onde urge uma atitude de emergência. Estimados senhores importantes, por favor deixem de nos usar como peões das vossas próprias batalhas de poder. Vão acabar alguns feriados, e depois? Qual é o problema? Se alguém não quer trabalhar, há muito quem queira, que precise e, acima de tudo, tem consciência de que essa é a única solução. Se um pai não tiver dinheiro para dar de comer aos seus filhos, o que deve fazer? Roubar, suicidar-se, deixá-los morrer ou trabalhar o mais que puder? A resposta é tão evidente que até custa a ouvir aqueles que se acham sobredotados ao conlcuir que não são desejáveis mais medidas de austeridade. É claro que que nenhuma medida de austeridade é agradável. Os doentes de cancro também não têm prazer nas sessões de quimioterapia, contudo, é o caminho para uma cura que se deseja. Senhores delegados sindicais deixem de nos espicaçar com cenouras penduradas em paus, com patéticas palavras de ordem e, de uma vez por todas, aprendam a motivar-nos! O país só avança se a classe operária estiver motivada e consciente de que o trabalho é a única solução. Defender-nos hoje é, acima de tudo, explicar que o trabalho é a única saída.

“Nadar com todas as nossas forças é a única forma de esperar sobreviver…”


Comentários (3)
Helena Silva commented on 29-Feb-2012 10:15 AM
Caro Luís de Matos, se um dia se fartar da Magia, e mesmo que não se farte, não vá para Professor, vá para Político. Se ainda não foi convidado, vai acabar por sê-lo. Depoi, e isto é extremamente importante, contrata-me como assessora para tratar do seu
facebook, redes afins e para responder aos e-mails. Porquê eu? Porque sou sua fã incondicional, imensamente pro-activa, tenho imensa experiência no assunto e até, formações modulares certificadas, em: sistema operativo, processamento computacional, aplicações
de escritório e powerpoint. E, se for necessário, até sou capaz de dar um pézinho de Dança para animar. Pode ver o meu c.v. em fotografia no http://facebook.com/helecsilva Bem-Haja.
Helena Silva commented on 29-Feb-2012 10:02 PM
Dear Luis de Matos, if one day you become tired of magic, and even if not, don't go to Professor, go to political. If you haven't been invited, will end up so. Then, and this is extremely important, hire me as an adviser to treat your facebook, related
networks, and to respond to emails. Why me? Because I'm his unconditional fan, immensely proactive, have vast experience in the subject and even certified modular formations, in: computational processing, operating system, applications powerpoint and Office.
And, if necessary, I am able to give a disco dance to animate. You can see my c.v. in photography at http://facebook.com/helenacsilva.
Helena Silva commented on 04-Jun-2012 06:46 PM
Monsieur Luis de Matos, si un jour si vous devenez fatigué de la magie et même si ne pas aller au professeur farte, aller à la politique. Si vous n'avez pas été invitée, se terminera place ainsi. Ensuite et c'est extrêmement important, m'embaucher un conseiller
pour traiter votre Facebook des réseaux et de répondre aux courriels. Pourquoi moi ? Parce que je suis son fan inconditionnel, extrêmement proactive, ont une expérience vaste dans le sujet et même certifiées des formations modulaires, en : traitement informatique,
système d'exploitation, applications Office, utilitaire de présentation graphique (powerpoint) et de feuille de calcul (Excel). Et, si nécessaire, jusqu'à ce que je suis en mesure de donner une danse disco à animer. Vous pouvez voir mon c.v. en photographie
à http://facebook.com/helecsilva comme bien-il y a.

Deixe um comentário




Captcha Image